Barroso Notícias  ver
 

 XXXIII CONGRESSO MEDICINA POPULAR - VILAR DE PERDIZES (30, 31 e 1 de setembro de 2019) -  19/8/2019

 32º Natal de Cantadores de Desafio e Concertinas -  6/1/2019

 Hábitos que o Padre Fontes não dispensa - YouTube -  15/2/2016

 Descobertos frescos na igreja de Soutelinho da raia -  10/4/2014

 32º natal de cantadores e concertinas -  11/12/2013

 
Destaques  ver
 

 

 SERÃO EM CHAVES

 A lenda Maria Mantela, foi representada pelo TEF em Chaves, dia 6 de dezembro.

 

 'SEXTA 13' / NOITE DAS BRUXAS

 Em Fevereiro inicia-se a primeira de três 'Sexta 13' agendadas para 2015. O maior espetáculo de rua realizado em Portuga

 

 VILAR DE PEERDIZES COM TURISMO RURAL

 Visite esta aldeia histórica.

 

 FONTES DA MIJARETA TURISMO RURAL ABRIU

 A VILA DE MONTALEGRE,ESTÁ A SER ENRIQUECIDA COM A ABERTURA AO PUBLICO E AO TURISMO COM UM DOS ESPACOS MAIS SEDUTORES QU

 

 ESPAÇO PADRE FONTES

 Inaugurado a 9 de Junho,o Núcleo-sede do Ecomuseu de Barroso "Espaço Padre Fontes" foi uma decisão da Câmara de Montal

 

 COMO CHEGAR AO HOTEL EM MOURILHE

 PROGRAME O GPS - 41º 50' 12.80'' N 7º 50' 37.75'' W PARA CHAVES, VILAR DE PERDIZES, MOURILHE.

 

 XXXII NATAL DE CONCERTINAS E CANTADORES AO DESAFIO

  programa

Barroso Notícia

ROTEIRO PELAS ALDEIAS DO BARROSO - 27/10/2003


Cervos (S. Cristina) aldeia semi despovoada como tantas tem uma arquitectura de casas bem traçadas, que hoje se pode clasificar de aldeia típica a aproveitar a tempo. O nome da terra indica uma espécie de caça o Cervo já extinto.


SERRAQUINHOS

Serraquinhos(Nª Sª do Ó) seria terra de gente serrana, ou sarracenos menos prováveis.As ligações viárias tardias fizeram emigrar muita gente. Tem um novo centro social e sede da junta que precisa animação. Como tantas aldeias tem à entrada a capela de S. Sebastião lo lado do Antigo e outra do lado de Cepeda.

Pedrário é das aldeias maiores e mais típicas pela pedra granítica que predomina nas suas casas ao longo da rua central. Também a igreja, alminhas, calvários, forno do povo, formam dos mais belos conjuntos de arte barrosã e são dos maiores e importantes monumentos.

Restos de sepulturas medievais revelam-nos que outros povos aqui viveram. O castro de Pedrário e ainda o do Antigo são dos mais bem conservados.

A pecuária e a mini agricultura são a sobrevivência da pouca gente que por aqui ficou. Agora bem ligados a Montalegre, a Chaves e Espanha por Meixide, abrem-se as portas ao crescimento.

S. VICENTE DA CHÃ

A Chã (S. Vicente) é das mais centrais e grandes freguesias do concelho. Nas margens da enorme presa dos Pisões o seu clima amenizou-se.

A riqueza piscícola é um atrativo de turistas de todo o norte do País.

A sua igreja românica, monumento nacional, cuja porta nos mostra uma arte sóbria e nobre aos Domingos junta os povos de toda a freguesia, que merecia uma feira dominical, como Salto.

O Castro, numa ilha da albufeira, recontruido, por Santos Junior vale uma visita ao passado.

As sepulturas romanas de Penedones, que a barragam esventrou, ao lado da estrada romana que atravessa toda a freguesia, revelam pontos de muito valor para quem os sabe ver. Aldeia turística (Inatel), casas e campismo e desportos náuticos são factor vivo de crescimento.

PEIRESES, aóbrio, povo celta, castrejo, romanizado, com ponte romana assoreada, é berço de Bento da Cruz, alma da literatura barrosã.

Uma nova vila se está formando junto à estrada ligando Torgueda,(S. Luzia) com Medeiros (Sª das Trevuras) e daqui a pouco esta com a vila subindo a Corujeira.

A Aldeia Nova com casas belas de granito e o seu centro escola agrícola, são a marca de uma época de quando Barroso era mais rico e povoado, que vai formando jovens agricultores na região Transmontana, e facultando as portas a um campismo no Verão.

Travassos, quase como Vilarinho, a beber água da barragem, também se conserva semi abandonada, como o seu antigo forno do povo que parece uma casa celta em forma circular, semelhante a outros e ao de Gralhós

O cruzeiro do Salvador do mundo enfeita o largo e o centro social da aldeia.

NEGRÕES

Negrões, (S. Maria Madalena) terra que mereceu de fotógrafos francess dois belos livros a preto e branco, junto com Vilarinho bebem e espelham-se com suas casas negras de granito nas águas limídas e mansas do Rabagão em presa. Muitos canastros esguios, alguns sem cobertura adornam as eiras de pedra, e os milharais. Toda a margem do lago une as aldeias desde Pisões, com paísagens relaxaantes, convidando a parar para saborear.

O forno do povo de Negrões, inactivo como todos, coberto em granito é um monumento a contrastar com poucas casas brancas, que prendem fotógrafos do branco e negro, devoradores de cenários raros que a terra negra lhes oferece.

A igreja paroquial, torre e adro valem pela estatuária bem conservada.

Zona de caça turística e a situação encantadora destas aldeias são no Verão e Inverno motivos fortes para estas aldeias não morrerem, mas terem um crescimento ordenado a um turismo aberto, e de qualidade.

Lamachã mais na serra , nos limites do concelho, mas no centro de Barroso Montalegrense e de Boticas, concentra numa rua algumas famílias a viver da pecuária e agricultura, tem um castro ainda com ruinas bem à vista.

MORGADE

Morgade (S. Pedro) na margem esquerda dsa albufeiras maioesr do País, repovoada com as casas de granito de Criande, mas despovoada pela Barragem, é uma aldeia de pecuária, batata e floresta.

Vive do turismo piscícola e daqueles recursos naturais. Desde Março a Agosto a pesca é uma festa nestas margens do Rabagão. Truta, escalo, boga e agora a carpa animam e enchem os anzois e as redes furtivas dos pescadores.

Paisagens de planície, água e montanha adornam este parque de beleza natural, onde a pesca e desportos náuticos no Verão atraem gentes do Norte do País.

Uma zona de caça turística será ainda um grande valor a acrescentar a esta atração.

Carvalhais, terra de minas outrora é hoje uma aldeia desta freguesia em acelerado despovoamento.

Do alto de S. Domingos com uma pequena capela divisa-se uma vasta área de todo o Barroso dos dois concelhos, onde o Larouco se espelha nas águas paradas e cristalinas da presa dos Pisões.

Junto à casa da floresta há o castro dos mouros.

Bem situada é bem comunicada para Chaves, pelo Barracão, e com Boticas e Ribeira de Pena por Lamachã.

 

«-voltar