Barroso Notícias  ver
 

 32º Natal de Cantadores de Desafio e Concertinas -  6/1/2019

 XXXII CONGRESSO MEDICINA POPULAR - VILAR DE PERDIZES -  19/8/2018

 Hábitos que o Padre Fontes não dispensa - YouTube -  15/2/2016

 Descobertos frescos na igreja de Soutelinho da raia -  10/4/2014

 32º natal de cantadores e concertinas -  11/12/2013

 
Destaques  ver
 

 

 SERÃO EM CHAVES

 A lenda Maria Mantela, foi representada pelo TEF em Chaves, dia 6 de dezembro.

 

 'SEXTA 13' / NOITE DAS BRUXAS

 Em Fevereiro inicia-se a primeira de três 'Sexta 13' agendadas para 2015. O maior espetáculo de rua realizado em Portuga

 

 VILAR DE PEERDIZES COM TURISMO RURAL

 Visite esta aldeia histórica.

 

 FONTES DA MIJARETA TURISMO RURAL ABRIU

 A VILA DE MONTALEGRE,ESTÁ A SER ENRIQUECIDA COM A ABERTURA AO PUBLICO E AO TURISMO COM UM DOS ESPACOS MAIS SEDUTORES QU

 

 ESPAÇO PADRE FONTES

 Inaugurado a 9 de Junho,o Núcleo-sede do Ecomuseu de Barroso "Espaço Padre Fontes" foi uma decisão da Câmara de Montal

 

 COMO CHEGAR AO HOTEL EM MOURILHE

 PROGRAME O GPS - 41º 50' 12.80'' N 7º 50' 37.75'' W PARA CHAVES, VILAR DE PERDIZES, MOURILHE.

 

 XXXII NATAL DE CONCERTINAS E CANTADORES AO DESAFIO

  programa

Destaque

PORQUE AMO BARROSO E O SIRVO


diz A. L. Fontes (António Lourenço Fontes).


1. Barroso é uma grande região nortenha transmontana, entre as serras de Gerês, Larouco, Barroso, Cabreira, nos vales do Cávado, e margem direita do Tâmega, povoada pelos celtas, romanos e repovoada nos alvores de Portugal.

2. Sou apaixonado pela terra barrosã, minha pátria materna, quanto mais a conheço, mais a amo e me identifico com ela. A sua cultura é a sua e minha identidade que mantenho e não queria perder apesar das pressões de outras e diferentes.

3. Para que esta identidade se preserve escrevi-a, estratifiquei-a, ergui~lhe uma estátua viva em livro a que chamei Etnografia Transmontana, porque se situa nesta enorme província, onde tudo é muito igual. Podia-lhe chamar galaico transmontana porque a galega ourensana também se identifica connosco. Por isso é que não lhe chamei apenas barrosã.

4. A cultura barrosã caracteriza-se pela sua originalidade pastoril, gregária, comunitária, arcaica, mágica, MISTA DE SACRO E PROFANO.

5. O Homem Barrosão define-se por um rosto escuro marcado pela altitude dos 800 m, serrano, forte, tamanho médio, sadio, sisudo, mas optimista, trabalhador, madrugador, hábil, educado, leal, hospitaleiro, respeitador do nome e da propriedade, sensível a valores nobres, religioso, temente a Deus.

6. Na Quaresma representavam-se nas igrejas as endoenças, e em Vilar de Perdizes o auto da Paixão de 10 em 10 anos, para viver as cenas dramáticas da paixão de Cristo. Em 1999 foi a derradeira representação, em que 79 personagens da aldeia se vestem e inspiram e teatralizam cenas em 4 horas de poesia medieval cantada, entoada, perante numeroso público emocionado e choroso.

7. Nesta aldeia realizam-se há 20 anos encontros culturais vários, além do de medicina popular, mais famoso, de jogos populares, teatro popular, folclore, religiosidade, arquitectura popular, que têm posto Barroso no mapa, fixado jovens, travado a desertificação, preservando cultura viva..

8. Isto fez nascer a hotelaria rural e urbana, a gastronomia e classificação de produtos. Nasceu aqui o turismo rural no país a 1ª vez e dele nasceu o turismo de habitação e no espaço rural. Para não falar e motivar outros investidores decidi arrojado a dar também um impulso pessoal recuperando um solar degradado e assombrado, fazendo dele uma unidade única na região , hotel rural, em Mourilhe, próximo da minha terra natal, Cambezes do Rio. O sucesso cresce de dia para dia, à medida que o visitante o descobre, saboreia e passa a palavra aos amigos. São já mulheres de pessoas que em ano meio por aqui passaram, e me felicitaram pela ideia e obra deslumbrante numa aldeia fora de todos os caminhos..

9. Sendo Padre procurei sempre beber a religião do povo, aculturando-me a ela, imbuíndo a vida profana de religião popular. Corpo e espírito juntam-se em harmonia, religião e cultura indissociáveis, progresso material sempre acompanhando o espiritual ancestral. .

10. Foi assim que Barroso chegou vivo até ao séc. XXl, com alertas que por todos os meios fui dando: escrevendo livros, depois pelo mensário notícias de Barroso que cada mês leva contra ventos e marés pitadas de cultura ao mundo, utilizei sempre outra imprensa nacional, regional. Nunca me esquivei a programas nacionais e internacionais de rádio e Televisão, sempre com o nome e voz de Barroso na alam, no coração, nos gestos e nas atitudes e actos. Se em tempos gritei :vinde ver um mundo a acabar, hoje ainda o digo, mas também posso afirmar, Barroso está vivo na sua cultura, tem alma própria, orgulho.

11. Estes e outros são também motivos da grande demanda turística, etnográfica nacional que Barroso está a ter nestes últimos anos, em continuo crescimento. Ninguém se arrependeu de visitar estas gentes e serras verdes, coloridas alegres, puras, distantes, desconhecidas, mas cada vez mais faladas e apetecidas.

 

«-voltar